Pular para o conteúdo principal

TERMOS TEOLÓGICOS:EPISTEMOLOGIA


Epistemologia ou teoria do conhecimento (do grego ἐπιστήμη [episteme], ciência, conhecimento; λόγος logos], discurso) é um ramo da filosofia que trata dos problemas filosóficos relacionados à crença e ao conhecimento.

A epistemologia estuda a origem, a estrutura, os métodos e a validade do conhecimento (daí também se designar por filosofia do conhecimento). Ela relaciona-se ainda com a metafísica, a lógica e o empirismo, uma vez que avalia a consistência lógica da teoria e sua coesão fatual, sendo assim a principal dentre as vertentes da filosofia (é considerada a "corregedoria" da ciência). Sua problematização compreende a questão da possibilidade do conhecimento: Será que o ser humano conseguirá algum dia atingir realmente o conhecimento total e genuíno, fazendo-nos oscilar entre uma resposta dogmática ou empirista? Outra questão abrange os limites do conhecimento: Haverá realmente a distinção entre o mundo cognoscível e o mundo incognoscível? E finalmente, a questão sobre a origem do conhecimento: Por quais faculdades atingimos o conhecimento? Haverá conhecimento certo e seguro em alguma concepção a priori?

Há ainda outras questões relativas ao conhecimento, como a apostasia da ciência de seu verdadeiro sentido e sua aproximação à outras formas de aprendizado com estruturas ilógicas e irracionais: O senso comum, a filosofia e a ciência no mais das vezes, dão um caráter universal ao contingente tornando-o dogmático. Assim, a ciência, que sempre julgou-se detentora única do saber, vê-se inserida em seu coexistente princípio de contradição.
Pode-se dizer que a epistemologia se origina em Platão. Ele opõe a crença ou opinião ("doxa", em grego) ao conhecimento. A crença é um determinado ponto de vista subjetivo. O conhecimento é crença verdadeira e justificada.

A teoria de Platão abrange o conhecimento teórico, o saber que. Tal tipo de conhecimento é o conjunto de todas aquelas informações que descrevem e explicam o mundo natural e social que nos rodeia. Este conhecimento consiste em descrever, explicar e predizer uma realidade, isto é, analisar o que ocorre, determinar por que ocorre dessa forma e utilizar estes conhecimentos para antecipar uma realidade futura.

Há outro tipo de conhecimento, não abrangido pela teoria de Platão. Trata-se do conhecimento prático, o saber como.

A epistemologia também estuda a evidência (entendida não como mero sentimento que temos da verdade do pensamento, mas sim no sentido forense de prova), isto é, os critérios de reconhecimento da verdade.

Ante a questão da possibilidade do conhecimento, o sujeito pode tomar diferentes atitudes:

Dogmatismo: atitude filosófica defendida por Descartes, segundo a qual podemos adquirir conhecimentos seguros e universais, e ter absoluta certeza disso.
Cepticismo: atitude filosófica oposta ao dogmatismo, a qual duvida de que seja possível um conhecimento firme e seguro, sempre questionando e pondo à prova as ditas verdades. Esta postura foi defendida por Pirro de Elis.
Relativismo: atitude filosófica defendida pelos sofistas que nega a existência de uma verdade absoluta e defende a idéia de que cada indivíduo possui sua própria verdade, que é em função do contexto histórico do indivíduo em questão.
Perspectivismo: atitude filosófica que defende a existência de uma verdade absoluta, mas pensa que nenhum de nós pode chegar a ela senão a apenas uma pequena parte. Cada ser humano tem uma visão da verdade. Esta teoria foi defendida por Nietzsche e nota-se ecos de platonismo.
Segundo Lalande, trata-se de uma filosofia das ciências, mas de modo especial, enquanto "é essencialmente o estudo crítico dos princípios, das hipóteses e dos resultados das diversas ciências, destinado a determinar sua origem lógica (não psicológica), seu valor e seu alcance objetivo". Para Lalande, ela se distingue, portanto, da teoria do conhecimento, da qual serve, contudo, como introdução e auxiliar indispensável.

Portanto, temos que epistemologia é o estudo sobre o conhecimento científico, ou seja, o estudo dos mecanismos que permitem o conhecimento de determinada ciência.

Japiassu distingue três tipos de Epistemologia:

a Epistemologia global ou geral que trata do saber globalmente considerado, com a virtualidade e os problemas do conjunto de sua organização, quer sejam especulativos, quer científicos;
a Epistemologia particular que trata de levar em consideração um campo particular do saber, quer seja especulativo, quer científico;
a Epistemologia específica que trata de levar em conta uma disciplina intelectualmente constituída em unidade bem definida do saber e de estudá-la de modo próximo, detalhado e técnico, mostrando sua organização, seu funcionamento e as possíveis relações que ela mantém com as demais disciplinas.
Segundo Trindade “todo conhecimento torna-se, devido à necessária vinculação do meio ao indivíduo que pertence ao próprio meio, um auto-conhecimento. Essa interação faz-se cogente pela gênese unívoca entre os muitos integrantes do mundo da vida, sem olvidar que o homem é um desses integrantes. [...] Ocorre, deste modo, um acoplamento estrutural entre o sistema nervoso do observador e o meio proporcionando, assim, uma mútua transformação/adaptação. O ser é modificado pelo meio ao qual o próprio ser pertence e modifica”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LINGUAGEM CIBERNÉTICA VOCE SABE O QUE É ISSO?

BLZ traduzindo para a linguagem normal é:beleza, Tdb:tudo bem,xau:tchau,xalalau,Bom FDS:é bom fim de semana, d :é de etc...

As onomatopéias, as gírias, as normas cultas estão passando por uma revolução no mundo atual e se transformando cada vez mais em expressões reduzidas ou subtendidas, na adequação de uma cultura informatizada crescente e globalizada, será que veremos maiores transformações, e modificações na maneira de se comunicar sendo a geração atual composta de modelos diferentes de expressões de sentimentos e emoções , e que os tradutores de blogs se preparem para criarem seus novos sitemas de correção e tradução é a era da revolução da escrita e da expressão mundial, será que haverá uma só linguagem?é ver para crer.Rev.Francisco

LINGUAGEM CIBERNÉTICA
Criada pelos internautas viciados em salas de bate papo, a linguagem cibernética é praticada já há algum tempo na internet. São expressões pouco decifráveis (para os desavisados), que se…

TIPOLOGIA BÍBLICA

SEBEMGE - SEMINÁRIO BATISTA DO ESTADO DE MINAS GERAIS



TRABALHO DE ANÁLISE DO VELHO TESTAMENTO



Os Tipos de Cristo

em Gênesis

Aluno : Anísio Renato de Andrade

Professor : Pr.Nilson

Período : Quinto - Curso : Bacharel em Teologia Ministerial

Data : 30 de maio de 1996 - Local : Belo Horizonte - MG





OS TIPOS DE CRISTO EM GÊNESIS



O QUE É UM TIPO ?



A palavra vem do grego : tipos. Significa molde ou sinal. Aquilo que inspira fé como modelo. Personagem paradigmático.

Os tipos de Cristo são personagens, animais ou objetos, nesse caso, de Gênesis, que possuíram características "messiânicas". Eram profecias vivas,ou visíveis, a respeito de Cristo. Estudando a respeito desses personagens, entendemos um pouco mais sobre o caráter de Jesus e do seu ministério. Tais pessoas e fatos, abordados na seqüência, eram sombras da realidade, que é Cristo.



ADÃO



Este foi o primeiro homem. Talvez não o associássemos à pessoa de Cristo se Paulo não o tivesse feito. O apóstolo traça tal paralelo em Romano…

Pastor afirma que morreu, foi ao céu e falou com Jesus.

O pastor João Carlos Marques (foto), de Porto Alegre (RS), contou em um programa de TV de um colega que morreu e 30 minutos depois ressuscitou. Nesse meio tempo, disse, seu espírito foi ao céu, onde se encontrou com Jesus Cristo. Marques contou que em uma quarta-feira de agosto de 1986, após participar de uma conferência em Belém (Pará), passou mal, mas inicialmente se recusou a ir a um hospital porque acreditava no poder de cura de Jesus. Na conferência, ele tinha falado justamente sobre isso. Seis anos antes, Marques já tinha tido dois derrames. Amigos de Marques acabaram levando-o a um hospital, de onde, segundo ele, seu espírito subiu ao céu por um túnel, não de luz e sim escuro. Disse que “o paraíso é um luxo”, com muito ouro e o que parece ser diamantes. Lá, os espíritos não são homens nem mulheres, “são neutros”, vestem saia e têm a mesma idade, a de Cristo quando ele morreu. Marques contou que Cristo o recebeu no pico de uma montanha. O filho de Deus, disse, tinha cabelos longos e…